Notícias

Na disputa por cliente, aplicativos oferecem até internet gratuita

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Para aumentar as vendas, as empresas estão oferecendo até internet de graça. Tal qual a estratégia usada pelos provedores populares no fim dos anos 1990, que ofereciam conexão gratuita, sites de varejo, bancos, redes de beleza e até um distribuidor de gás decidiram bancar o custo de acesso de seus clientes pelo celular. Em alguns casos, o volume de negócios aumentou até 40% só com a ajuda do incentivo extra. Estudo da empresa de tecnologia Qualcomm aponta que a internet 0800 tem potencial para movimentar por ano no Brasil cerca de 1 milhão de gigabytes. Ou seja, espaço suficiente para armazenar um bilhão de minutos de música.

NetShoes, Mercado Livre, Privalia, Bradesco, Natura, entre outros, decidiram investir nessa estratégia após constatarem que a maior parte dos brasileiros não usa a internet de forma continuada, já que depende de rede sem fio (Wi-Fi) para navegar pela web. Mas, para ter esse acesso grátis, o cliente deve baixar o aplicativo dessas empresas no celular. Assim, todos os dados consumidos dentro desse ambiente não serão descontados da franquia dos planos pós-pagos ou dos créditos pré-pagos, pois essas companhias pagam diretamente às teles.

Oren Pinsky, diretor da Qualcomm para América Latina, explica que, apesar de o Brasil contar com quase 243 milhões de linhas celulares em uso, cerca de 67% desse total são pré-pagas, que não usam a internet com a mesma frequência que os clientes pós-pagos. Dessa forma, as empresas passaram a perder receita porque não geram negócios.

— Já há 20 aplicativos que apostaram em navegação grátis no país, e esse número deve aumentar quatro vezes este ano. As empresas fazem um acordo com as teles e pagam pelos dados consumidos por seus clientes nas plataformas — afirma Pinsky, lembrando que cada tele deve ganhar mais de R$ 10 milhões neste primeiro momento com o arranjo.

Entre os varejistas, a aposta é crescente. A NetShoes, loja on-line de artigos esportivos, investiu no consumo patrocinado (com clientes de todas as teles) ao perceber que o celular se tornou a primeira porta de entrada dos consumidores no site. Andre Petenussi, diretor de TI da Netshoes, diz que, com a iniciativa, a fatia do celular no acesso total passou de 10% para 46% entre 2014 e 2016:

— Essa alta foi puxada pela internet de graça.

No Mercado Livre, afirma Daniel Ferian de Aguiar, gerente Sênior de Marketing, em cinco meses, o volume de dados trafegados no site cresceu 40% desde que a companhia fez acordo com TIM e Vivo. Agora, negocia com Oi e Claro:

— O download do aplicativo aumentou 30%.

NEUTRALIDADE DE REDE EM DISCUSSÃO

Nos aplicativos da Natura, mais de 180 mil pessoas já usaram a navegação gratuita desde fevereiro. A Privalia, de moda, diz que pretende ampliar os investimentos, pois hoje oferece internet grátis só para clientes da Vivo.

Os bancos também estão atentos ao movimento. O Santander, que acabou de lançar o serviço, pretende ampliar de 6,9 milhões para 8,7 milhões o total de clientes digitais. O Itaú estuda o assunto. O Bradesco, que passou a oferecer a comodidade há três anos, comemora os resultados da estratégia.

—A ideia do serviço partiu porque existe a barreira de custo e de infraestrutura de dados. Passamos de três milhões de clientes para dez milhões de 2014 a março deste ano. São mais de 18,5 milhões de transações por dia — diz Rubia Steiner, gerente de Canais Digitais do Bradesco.

Mas o uso de internet gratuita reacendeu o debate sobre neutralidade da rede. Há quem defenda que oferecer dados de graça não significa priorizar o acesso a um determinado grupo. Para outros, o acesso sem custo já configura discriminação, ferindo o princípio de que a rede deve ser neutra.

— Todos têm de ser tratados da mesma forma. O assunto hoje conta com dois entendimentos. — destaca Daniel Pitanga, do Siqueira Castro.

Para o advogado Luiz Felipe di Sessa, do Souza Cescon, o Marco Civil da Internet não deixa claro se a não cobrança de internet fere a neutralidade:

— As empresas dizem que não estão privilegiando o acesso. Mas há quem defenda que oferecer algo de graça já seria uma diferenciação. A prática beneficia o consumidor, mas também pode induzi-lo.

Para Pinsky, da Qualcomm, a neutralidade de rede não é ferida, pois não há diferenciação de usuário. Ele diz que o usuário só tem acesso grátis nesses aplicativos se tiver pelo menos R$ 0,01 de crédito.

— Se o cliente estiver zerado, a internet grátis não funciona — explica.

Fonte: Estadão
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.